Ordem dos

Bacharéis do Brasil

Área restrita
Senha
Esqueci minha senha!

FACULDADE DEVE INDENIZAR POR CURSO SUPERIOR QUE NÃO HABILITA PARA O EXERCÍCIO DA PROFISSÃO

25 de Outubro de 2017
por AF — publicado em 27/07/2017 17:55

 

A 3ª Turma Recursal do TJDFT manteve condenação da Associação Unificada Paulista de Ensino Renovado Objetivo – Assupero (UNIP) no dever de indenizar aluno que se diplomou em Farmácia-Bioquímica, mas não ficou habilitado para o exercício da respectiva profissão.  Para os desembargadores, ficou configurada a falha nos serviços prestados pela instituição de ensino, que não entregou o que prometeu.

 

O aluno narrou que se formou em 2012, após quatro anos de curso, e recebeu diploma com habilitação generalista em Farmácia. Porém, conforme a Resolução CNE/CES 2/2002, do Ministério da Educação, para exercer a profissão de Farmacêutico-Bioquímico, o farmacêutico generalista precisa completar os estudos com curso de especialização em análises clínicas, credenciado pelo Conselho Federal de Farmácia, e adquirir o título de especialista, expedido pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas.

 

Em contestação, a ré afirmou que o diploma foi emitido como base nas resoluções vigentes e que o curso de Farmácia nunca foi e nem é especialização; que a habilitação ou modalidade Bioquímica era, na vigência da Resolução nº 04/69, um complemento da graduação. Defendeu a improcedência do pedido indenizatório.

 

Para o juiz do 6º Juizado Especial Cível de Brasília, que julgou o processo em 1ª Instância, “a instituição de ensino expediu diploma a atestar ao diplomado perfil de farmacêutico-bioquímico com formação generalista (ID 5326526), tudo a evidenciar negligência da instituição quanto à informação prestada ao consumidor sobre o curso”.  Ainda segundo o magistrado, “comprovada a veiculação de publicidade enganosa (forma e conteúdo do diploma), configura-se o ato ilícito passível de reparação”. Com esse entendimento, condenou a UNIP a pagar R$ 7 mil pelos danos morais infligidos.

 

Após recurso, a Turma Recursal majorou o valor indenizatório para R$ 10 mil. “O valor fixado de R$ 7 mil não se mostra adequado e proporcional ao dano suportado pelo autor”, concluiu o relator.  

 

A decisão colegiada foi unânime e não cabe mais recurso.

 

PJE: 07034145220178070016

 

Fonte TJDFT

Veja Mais
16 de Outubro de 2017

Quais interesses estão por trás dos cursos técnicos em serviços jurídicos?

veja mais
14 de Setembro de 2017

A PGR sob nova direção da Dra. Raquel Dodge

veja mais
10 de Julho de 2017

Mais de trezentas mil vagas de empregos com o fim do exame da OAB

veja mais
29 de Junho de 2017

EXAME DA OAB E A OMISSÃO DO ESTADO

veja mais
16 de Março de 2017

A QUEM INTERESSA O EXAME DA OAB NO PAÍS DO DESEMPREGO?

veja mais
09 de Março de 2017

Não há mérito passar no famigerado caça-níqueis exame da OAB

veja mais
19 de Janeiro de 2017

Teori Zavascki

veja mais
09 de Janeiro de 2017

Projeto garante validade por três edições da aprovação na 1ª fase de exame da OAB

veja mais
02 de Dezembro de 2016

Até quando durará a reserva de mercado usufruída pela OAB?

veja mais
 
OBB

OBB

ORDEM DOS BACHARÉIS DO BRASIL